Informação é aqui!

Justiça nega pedido de pais para home care de bebê com AME

Luiz Miguel vai fazer 2 anos em outubro e tem atrofia muscular espinhal (AME) tipo 1

Um bebê que nasceu com uma doença sem cura já teve alta há mais de um ano, mas continua vivendo num hospital em Concórdia, no Oeste catarinense. Os pais querem cuidar dele em casa, mas não têm dinheiro para isso. A Justiça negou três vezes o pedido para que o Sistema Único de Saúde (SUS) continue oferecendo o tratamento na residência da família.


Luiz Miguel vai fazer 2 anos em outubro e tem atrofia muscular espinhal (AME) tipo 1. Há um ano e nove meses, ele está hospitalizado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e só recebe a visita dos pais duas vezes ao dia, durante meia hora.

“É muito difícil. É muito complicado. Eu trago as roupinhas para lavar, eu vou no quartinho que é pra ser dele e ele não está. Eu acordo de noite e começo a pensar nele: será que está bem, será que não está, será que está dormindo, será que está com saudade do pai e da mãe”, disse Suzane Kerber, mãe da criança.

O pai de Luiz Miguel, Jocimar Kerber, é motorista e a mãe está desempregada. “É muito frustrante. É muito, muito difícil para a gente porque a gente está contando que daqui a pouquinho tenha uma notícia boa e vem sempre aquele baque, a notícia que não é o que a gente quer”, lamentou o pai.

Processo

O menino tem autorização de alta para fazer o acompanhamento médico em casa, mas a família não tem como pagar. Os pais recorreram à Justiça, mas o pedido foi negado três vezes. Da última decisão, de agosto deste ano, prevaleceu o argumento de que o poder público não poderia bancar estrutura parecida com de uma UTI com equipamentos e atuação de alguns profissionais, cerca de R$ 50 mil por mês.

Outras cinco famílias de Concórdia conseguiram o mesmo. Uma delas teve na Justiça decisão oposta a da família do Luiz Miguel. O município, por determinação judicial, está bancando o tratamento em casa. 


Com informações de G1

Veja Também
Comentários
Carregando